Os processos de criação e inovação de produtos e serviços mudaram. Isso vale também para os aplicativos móveis. Hoje o usuário final é um co-desenvolvedor. E os produtos se transformaram em coprodutos.

Então era assim: o gerente de produtos estudava o mercado e definia um produto novo. Lançava. E ficava aguardando que vendesse, nas quantidades planejadas, para conquistar uma certa participação de mercado. As empresas maiores tinham um laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento, que ajudava a criar coisas novas, inovar.

Isso ocorria num mundo em que as pessoas não andavam com a cabeça a 45 graus, consultando seus celulares o tempo todo, andando, almoçando e até fazendo sexo. Os tempos e as atitudes mudaram, demais até.

Nesse mundo arcaico e ultrapassado, também, os produtos eram mudos e calados. Não falavam, apenas funcionavam ou não. Bem ou mal. Mas eram entidades autônomas, desconectadas. Hoje não: produtos conversam e contam coisas (quem quiser saber mais sobre isso, veja Internet das Coisas, ou  “IoT – Internet of Things“).

Antigamente (não tão antigamente assim), era preciso fazer pesquisa de mercado para avaliar um produto ou serviço. Difícil era cavocar no mercado quem tivesse a ver com o consumo do produto (ou serviço) e medir sus reações, sentimentos, expectativas. Quando os dispositivos começaram  a contar a verdade das coisas, isso acabou.

O mesmo ocorre para aplicativos para dispositivos móveis.  Esses aplicativos denunciam a  verdade verdadeira”: quem os usa, quando, quantas vezes e, dentro da aplicação, o que é que fazem, usam de fato – e com que frequência.

E podem ir além: deixar portas abertas para que os usuários sugiram melhorias e mudanças. Isso transforma o mundo, antes unidirecional, num mundo novo. Bidirecional. Todos usuários podem sugerir melhorias e mudanças. Tornam-se co-desenvolvedores do produto Que agora, vira um coproduto,

O desafio até muito recentemente era coproduzir soluções e serviços envolvendo equipes de Ti e equipes de Negócios das empresas.. Agora entrou em cena o próprio usuário: ele é parte integrante do produto que vai estar disponível amanhã, de manhã. O usuário é, também, coprodutor. Se a empresa não enxergar isso, estará míope. E afastando-se do seu mercado, diminuindo suas chances de sucesso.

Portanto, abra as portas. Ouça e mude em função do que pode escutar. E esqueça o processo tradicional de definir in-house um produto ou serviço estanque, sem evolver as percepções dos usuários: que são, cada vez mais, coprodutores. Ou isto não está claro? Hoje o verdadeiro gerenciamento de um produto (mesmo aplicativos móveis) começa (e não termina) quando ele é lançado no mercado. É aí que se torna plausível transformar expectativas em realidades.